Padre António Vieira


Artes e Letras


Pe António Vieira

(1608-1697)

4º Centenário do Nascimento

Nascido em Lisboa, em 1608, de família modesta, contava António Vieira seis anos quando o levaram para a Baía, onde seu pai desempenhava um cargo de estado.

No colégio jesuíta desta cidade estuda e torna-se homem extremamente culto.

Apesar dos votos religiosos, o Padre António Vieira é criatura que, amando a vida em sociedade, se mostra continuamente ávido de acção e sedento de participar nos negócios do Estado.

Em 1641 parte com D, Fernando de Mascarenhas para Lisboa, o qual vinha ao reino afirmar a D. João IV a adesão dos colonos brasileiros à causa da independência nacional. Na capital encanta logo o soberano a tal ponto com a vivacidade do seu espírito e o sortilégio da sua palavra rica e hábil, que, logo em 1642, o Padre António Vieira prega na capela real dos Paços da Ribeira e vem a ser nomeado pregador de Sua Majestade.

Os seus Sermões despertam tão grande entusiasmo que a sua popularidade cresce ao ponto de os lugares na capela de S. Roque terem de ser marcados com antecedência1.

D. João IV encarrega-o de várias missões diplomáticas. Vivendo de sonhos no meio de realidades, encontrava-se destinado a falhar — em parte devido às suas ilusões do mundo; em parte devido às extravagâncias de alguns dos seus projectos, que, elaborados de acordo com as melhores intenções, vão, no entanto, de encontro à consciência nacional.

Em 1647 empreende uma viagem a Paris onde devia negociar o casamento de D. Teodósio, o herdeiro do trono português, com uma prima de Luís XIV.

Em Haia e em Itália onde, em seguida estanciou, também não foram coroadas de êxito as suas negociações diplomáticas, o que naturalmente o prejudicou como político na opinião de D. João IV, sem que por isso o homem ou o pregador tivessem sido diminuídos.

Como a opinião pública se mostrava hostil aos seus planos políticos, António Vieira regressa ao Brasil, onde novos desgostos e trabalhos o aguardam.

A viagem é tormentosa: atacada a nau, os corsários abandonam-no na ilha Graciosa.

Sem quebrar o ânimo, fulmina do púlpito, ainda com mais ardor, os erros da governação ultramarina e a apatia dos que, vivendo sossegadamente na metrópole, deixam correr as coisas à mercê da aventura.

De regresso ao Brasil, leva ordens para libertar os índios da escravidão, acabando por cair prisioneiro dos colonos revoltados.

Quando volta a Portugal já não encontra em D. Afonso VI a amizade e o valimento que tinha junto de D. João IV. Refugia-se no sonho, escrevendo a História do Futuro, em que prometia um quinto império aos Portugueses, e as Esperanças de Portugal, quando o Santo Ofício o priva de pregar e o condena a viver recluso em qualquer cada dos Jesuítas.

Com D. Pedro IV Vieira torna a encontrar um pouco do seu ascendente na corte e em 1669 parte para Itália, onde deslumbra a gente culta com a sua eloquência, ao ponto da rainha Cristina da Suécia o pretender para seu confessor particular.

Anulado o processo que lhe havia movido a Inquisição, escreve novo trabalho de visionário — a Clavis Prophetarum — e regressa à pátria mas, desesperando de ver reabilitados entre os judeus, pelos quais se batera, volta ao Brasil, onde vem a falecer com perto de noventa anos de idade.

I. Teixeira de Aguilar

 

1 Deixando de lado as obras menores do Padre António Vieira, merece atenção as produções literárias a que deveu a sua celebridade: os Sermões e as Cartas. Os primeiros têm matéria tanto religiosa como política. O espírito livre de Vieira não podia deixá-lo indiferente às grandes questões políticas nacionais e da diplomacia da Europa do seu tempo. No Verão de 1669 embarca para Roma. Frequenta o Palácio Riário onde se reuniam as mais ilustres figuras da cultura da época. A Rainha Cristina da Suécia, exilada em Roma, convida-o em 1673 para seu pregador oficial. O excessivo apego ao conteúdo teológico da obra de António Vieira impede quem o lê de ver mais fundo. Importa, por isso, fazer uma releitura da obra de António Vieira porque, o que ele escreve, assinala e reflecte, não deixa de ser, em grande parte, uma forma inferir, de prospectar o oculto, silenciando através da sonoridade cantante da palavra escrita o que a voz não podia pronunciar com clareza (N.da R.).

Fonte: Revista Rosa Cruz

nº 387 /Jan /Fev/ Mar de 2008

 
Antonio_ Vieira

One thought on “Padre António Vieira

  1. Padre António Vieira – sinónimo de Imperador da Lingua Portuguesa.
     
    "Sei a língua do Maranhão e a portuguesa e é grande desgraça que, podendo servir com qualquer delas à minha pátria e ao meu príncipe, haja nessa idade de estudar uma língua estrangeira, para servir, e sem fruto, a gostos também estrangeiros."
     
    Um bem haja, pela lembrança.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s